quinta-feira, agosto 5

Sobre as Turbinas e o Combustível

1
Faço-me de intruso no meu próprio ser. Querendo descobrir o fator fortalecedor propulsante na decorrência dos dias sucessivos. Eu só quero esclarecer o que fazer com mais quarenta anos de vida. Apesar de pretender cem anos, imagino o sessenta para não me decepcionar.

Precisamos de uma definição para acordar audacioso durante toda a vida. Mais: precisamos de um objetivo utópico, daquele chavão do Plano A e Plano B. Se não fizermos isso estaremos condenados ao tédio, fadados ao tédio. E seremos pessimistas, depressivos, niilistas... Gosto desses adjetivos. Com certa distância, me faz lembrar personagens brilhantes! Desses adjetivos, só numa fase!

Resta-me a arte para gozar da vida sem meter as mãos na calça. Ainda assim, sem necessitar de um espaço acolhedor. Já que um dia isso não funcionará mais, nesse ponto estou muito a frente de muitos homens reduzidos à "esponja cavernosa".

1 Response to Sobre as Turbinas e o Combustível

Robério
6 de agosto de 2010 07:13

"" Resta-me a arte para gozar da vida sem meter as mãos na calça. ""

HAhahahah! xD nossa, eu pensei tanta coisa! suhasua mas ficou muito bom...aos 60 anos aposto que ninguem consegue mais por as mãos nas calças em busca de um gozo pleno. kkk