domingo, setembro 12

Curto-circuito

2
Há pouco, ainda hoje, algo impressionante foi dito por minha mãe (em verdade, tanta coisa de fantástico é dito por ela).

- Diêgo, os travestis estão desesperados por causa dos políticos de Deus. Eles estão se movimentando para impedir a vitória, dizendo que não poderão se casar e vão perder o direito. O pastor pediu que no dia da eleição, a gente pegasse uns panfletinhos... mas num é boca de urna não, é só falar, entendeu?

Rápido percurso de uma semiologia barata: Atenção para o termo que ela usou: TRAVESTIS. Minha progenitora não tem um conhecimento científico, filosófico, epistemológico, psicológico, mas é dona de uma percepção e de fé tremenda. Ela entende que "viado", "bicha", "boiola", "gay" é de torpeza. Compreende que sou lunático, e mais uma vez: livre. Livre não implica dizer Bissexual, Homossexual e/ou Heterossexual. Eu estou querendo assumir um posicionamento Assexual. Se bem que é tão bom a prática do sexo consigo mesmo, né?

Voltando ao acontecimento... Eu no Notebook tentando não exprimir sequer uma sentimento. Se fosse uns meses atrás, eu teria dado total apoio. Eu mudei, não sei porque, mudei para o que era antes de ter me convertido (tornar-se evangélico); eu transito entre o que fui e sou, assim gero um novo que será transitado no dia de amanhã.

- Mas que - sucumbi - absurdo!

- Não, né não, minha mãe - modo carinhoso que minha mãe me chama, minha mãe, mainha - é só falar com as pessoas, entendeu?

- Isso também é boca de urna, mainha. As pessoas rirão de vocês - senso comum, admito, milhares de pessoas zombam dos evangélicos, algo deprimente por parte de quem faz isso - cada um tem suas escolhas, mainha.

- A mão de Deus vai pesar. Deus está irado com isso de casamento entre homens - minha vó me chamou para fazer o molho da lasanha, motivo necessário para não machucar minha mãe - Isso não pode acontecer...

Eu, particularmente, queria dizer a minha mãe que Deus, certamente, está mais preocupado, indubitavelmente, com questões mais urgentes: Fome, escassez de água, violência, injustiça, sofrimentos amorosos, intolerância religiosa. Ser onipotente constantemente deve cansar. Um único modo de ser deve cansar. Eu acho que Deus, depois da semana de Arte Moderna, tirou férias do Brasil. Talvez, tenha ele percebido que o povo já estava em bom caminho. Não sei se minha mãe me entenderia, na verdade sei. Ela ficaria magoada, e quem está morto sou eu, não ela; então, prefiro deixá-la viva e cheia do fogo divino, afinal, apesar de se dizer "no espírito", ainda permanece ligada à carne.

Eu já fui contra muitas outras coisas, entre elas o casamento gay, pensava em um Deus revoltado, arbitrário, punitivo; passei um ano com a noção do todo poderoso, custei a entender que isso não seria Deus, seria o Diabo engenhoso que criou o humano com possibilidades de prazeres e liberdade e o impede, o censura de usar, sentir.

Seria uma puta sacanagem se ele realmente tivesse feito isso. Ninguém nunca vai entender mesmo se ele fez ou não, até que ele venha se explicar e se mostre distinto do Diabo. Eu morto até agora não vi nada, penso que depois da morte temos um tempo para acertar contas nesse plano. Só pode. E olhe que não curto o Chico (o Xavier, não, não é do X-Men, é o Chico mesmo, não o Chico Buarque, o Chico Xavier do filme).

Deus, se o senhor ler meu blog, e deveras ser altamente déspota, tenha calamidade dos humanos criados a tua imagem e semelhança. Não querendo me explicar ou argumentar para o senhor, mas preciso relembrar que somos feitos a tua imagem e semelhança. Daí mudarmos o cenário em que vivemos, optar por outras escolhas, refletir o sentimento nas iras da natureza. Ai, Deus, espero que as pessoas não tenham trocado a verdadeira figura do ser do amor em troca da figura do ser da incompreensão, do repúdio, da contenção. Se o senhor acompanha meu blog, algo que acho muito complicado, pois tantos livros melhores e blogs decentes há por aí, veja com carinho que tento não te colocar no pedestal. Não sou panteísta, mas acredito do senhor está no meio da gente a todo tempo, a todo instante.

Sei de tê-lo como leitor. Toda vez que te procuro, te acho. E toda vez que me explico, o senhor já me entendera e me indagara sobre os assuntos das postagens. Ai, Deus como te amo. E como queria que as pessoas compreendessem a tua grandeza, exterminando tal imagem de Deus do Mein Kampf.

Lembro do filme do Jim Carrey ao falar sobre tantos pedidos e tantas coisas a serem feitas. Pena que o filme só ridicularizou teu compromisso, teu trabalho. Por isso, hora ou outra não te peço nada. Quando retornar de férias, sei que o senhor não nos abandona mesmo distante, ao Brasil, me procure pessoalmente. Precisamos conversar. Preciso colocá-lo no meu Divã e entender o meu criador, só assim quem sabe entender a criatura que sou. Não se sinta tão sobrecarregado, estarei contigo quando por aqui chegar.

Preciso pesquisar o preço de uns divãs.

Dizem que o senhor é enorme. Mas sei que pode se adaptar.

Queria te fazer uma perguntinha, mas tenho medo de ser interpretado como um ato desrespeitoso, algo só possível se te visse conservador, é para a gente marcar um dia, um horário e uma estação, pergunto:

- O senhor tem MSN?

Preciso colocá-lo no meu Divã e entender o meu criador, só assim quem sabe entender a criatura que sou. Ninguém nunca vai te entender mesmo, até que venha se explicar e se mostrar distinto do Diabo.

2 Response to Curto-circuito

12 de setembro de 2010 13:32

Sobre minha mãe, ela foi fazer o molho da lasanha comigo e minha vó. Esquecemos do assunto.

Ou não demos tanta importância assim.
Eu preferi continuar e falar sobre algo, eis aí.

12 de setembro de 2010 13:55

Adorei o texto amigo! A vida é assim cheia de complicações e julgamentos... Talves um dia pararemos de ver os outros como diferentes (pela cor, pela opção sexual ou qualquer outro julgamento) e começararemos a ve-los como iguais.Irmãos moradores de uma casa!

Fiquei também impressionada com o seu questionamento sobre as coisas que vc era contra e de como vc via DEUS, me fez refletir como algumas pessoas, talves por ingenuidade acreditam que DEUS existe pra punir, pra oprimir e nos fazer menores. Essas pessoas esquecem que Ele nós deu o seu único filho e que esse filho nos mostrou que somos exatamente iguais e merecedores do mesmo amor, independente dos nossos pecados!
è Isso!
Parabéns pelas ótimas reflexões que tem tido ultimamente.
E nunca esqueça o nossos propositos na terra é fazer o bem e ser feliz!

( e a nossa felicidade é algo tão genuíno e tã nosso que ela só pertence a nós e só nós sabemos onde encontra-lá!)

Beijos e afagos,
Tami