terça-feira, setembro 14

Sobre a vida?

2
A vida deve ser vivida como uma.
Ou se deve morrer várias vezes por outras,
enxergar outras, sentir outras na mesma.

Se deve acreditar no que nos fortaleça.
Deve-se aceitar fatos:
iremos morrer,
não sabemos bem donde viemos,
não sabemos para onde vamos.

Tais extremos pouco interessa(pelo menos me interessa!),
pois seria dispendioso demais contemplar o infinito por mais de vinte anos,
já nos basta a adolescência.
Preenchemos o meio
com o chocolate, com o morango, com o napolitano, com cuspe, com iogurte, com sêmen, com lama, com cianeto, com cerveja congelada ou com o que for, algum desses recheios servem de metáfora para o sentido de nossas vidas.
Mas devemos ter um sentido: uma bússola e muito combustível.
Ou a gente se perde no mar das grandes invenções.
Ou a gente para no meio de um congestionamento constante que parece aos poucos se movimentar.
Ou a gente é atropelado pelos sentidos dos outros.

E com os setenta, oitenta anos,
lá estaremos de novo passando pela a adolescência e procurando uma resposta de tudo que não foi respondido.
E depois, voltaremos a infância.
Nossos filhos tendem a ser, também, nossos próprios pais.

A vida é mesmo trágica, e não seria tão bela se fosse cômica.
A vida é muito provavelmente uma síntese de inversões.
A vida é feita de tentativas pessoais constantes de definições.
A vida é mesmo muito bem feita: trágica, inversa e pré-definida.

2 Response to Sobre a vida?

14 de setembro de 2010 20:44

Um brinde.
Celebremos a vida e a morte, melhores amigas, talvez uma só (separadas por qual motivo? "Talvez quando morrermos, voltaremos para o lugar de antes de ter nascido", separadas por qual motivo?).



E o recheio?

Roberio
15 de setembro de 2010 08:04

Eu escolho Chocolate meio amargo para o recheio!! xD

"Uma das suas mais Belas composições..." - Robério, sobre as palavras do Diego.

Abraços.